terça-feira, 27 de setembro de 2022

8759. Grande incêndio na Serra da Estrela foi precedido de 11 ignições na mesma área


Antes do grande fogo da serra da Estrela, que deflagrou a 6 Agosto, no concelho da Covilhã, registaram-se 11 ignições exactamente na mesma zona e depois disso já houve mais casos, informou esta segunda-feira o comandante dos Bombeiros da Covilhã. “Este ano, nós tivemos um número de ocorrências absolutamente anormal na zona de Vila do Carvalho. Tivemos 11 ocorrências de incêndios florestais, muitas delas nem se notaram porque foram resolvidas nos primeiros minutos, com o ataque inicial”, afirmou Luís Marques.

Este responsável, que foi quem comandou as operações de combate inicial daquele incêndio, tornou público este número numa sessão da Assembleia Municipal da Covilhã, que decorreu hoje e durante a qual fez uma apresentação dos diferentes momentos daquele fogo. No início da apresentação, Luís Marques, que também desempenha funções de coordenador operacional da Protecção Civil Municipal da Covilhã, vincou o número de ignições registadas naquele local.

Segundo especificou, na encosta de Vila do Carvalho verificaram-se 11 ignições e, já depois disso, num fim de semana de Setembro, em apenas 48 horas, registaram-se mais cinco ignições na zona do Teixoso, que fica nas proximidades. “Poderá haver aqui algum incendiarismo”, disse Luís Marques, frisando ainda que o fogo começou durante a madrugada, pelo que, “certamente não foi provocado pelo sol”.

Chamas começaram em zona “muito difícil” – Já á quanto ao sucedido, apontou que o primeiro alerta terá sido dado numa altura em que o fogo já tinha alguma dimensão e destacou que as chamas começaram numa zona “muito difícil” e com um declive médio inicial de 50,2%. “Isso tornou o trabalho muito difícil”, disse, referindo que tal também contribuiu para a rápida propagação das chamas.

Detalhando o trabalho que foi feito em diferentes momentos para tentar “fechar” o fogo, referiu, por várias vezes, a falta de acessos e as zonas “sem quaisquer condições ou hipóteses de combate”. Para exemplificar, contou que no início do fogo, o autotanque mais próximo da área que estava a arder tinha de ficar a mais de 500 metros.

Com recurso a gráficos, apontou dados e variáveis que serviram como condicionantes, nomeadamente a situação de seca extrema e severa e o facto de os combustíveis finos, como a palha e a caruma, estarem muito secos. A relação temperatura/humidade foi outro dos pontos que Luís Marques indicou como sendo um entrave ao combate, dado que a temperatura raramente baixava (mesmo durante a noite) e que os níveis de humidade também não aumentavam.

Entre as opções menos apropriadas, assinou o contrafogo a que se terá recorrido em algumas situações, designadamente por acção popular. A distância dos pontos de água para os meios aéreos foi outro dos aspectos que mencionou, defendendo que é importante que se possam criar zonas de abastecimento na serra da Estrela, mesmo tratando-se de uma área protegida.

Depois de recordar que o fogo chegou a ser dado como dominado e que depois reactivou com muita intensidade, frisou que na “segunda fase do fogo” a grande preocupação teve de ser “salvar casas e pessoas”, dada a “progressão rápida e violenta” que se verificou.

Nas lições para o futuro, referiu a necessidade de se criarem oportunidades de combate (com aceiros, redes primárias, mosaicos florestais e corte selectivos), de se gerarem mais pontos de água, além da necessidade de definir de forma clara a organização dos meios e respectiva “hierarquização”.

Na última semana, o presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira, já tinha adiantado que os prejuízos provocados por este fogo naquele concelho rondam os 35 milhões de euros, entre a parte pública e privada. O grande incêndio na serra da Estrela deflagrou no dia 06 de Agosto em Garrocho, no concelho da Covilhã (distrito de Castelo Branco) e rapidamente alastrou a outros concelhos da zona da serra da Estrela.

Arderam 28 mil hectares do parque natural – De acordo com os dados governamentais, este fogo consumiu 28 mil hectares do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE), sendo que o Governo aprovou a declaração de situação de calamidade para este território, a qual vigora durante um ano.

No dia 15, o Governo também aprovou medidas no valor de 200 milhões de euros para aplicar nos concelhos com maior área ardida este ano em Portugal. Da verba de 200 milhões de euros, “40 a 50%” é para os concelhos da serra da Estrela, segundo especificou, no dia 17, a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

A governante detalhou que o pacote global abarca medidas de emergência, que devem estar no terreno até ao fim deste ano, e medidas de resiliência e competitividade, que devem ser implementadas até Junho de 2023.

Além dos municípios da serra da Estrela (Celorico da Beira, Covilhã, Gouveia, Guarda, Manteigas e Seia), também são elegíveis para estes apoios os municípios de Carrazeda de Ansiães (Bragança), Mesão Frio (Vila Real), Murça (Vila Real), Vila Real, Albergaria-a-Velha (Aveiro), Alvaiázere (Leiria), Ansião (Leiria) e Ourém (Santarém).

* * * * * * * * * * * *

Fonte: MSN Notícias

sábado, 24 de setembro de 2022

8758. Tempestade tropical Gaston está a perder força e a afastar-se dos Açores


A tempestade tropical Gaston está a perder força e a afastar-se das ilhas do grupo central dos Açores, indica a meteorologista Carolina Medeiros, do Instituto do Mar e da atmosfera do arquipélago. Está ainda prevista “uma alteração na trajectória para oeste, continuando a afastar-se do grupo central [ilhas do Faial, Terceira, Pico, São Jorge e Graciosa], provando assim uma melhoria gradual do estado do tempo nestas ilhas”, que estão sob aviso vermelho devido às condições meteorológicas até às 15h00 (16h00 de Lisboa).

Pelas 9h00 deste sábado, o centro da tempestade estava “a aproximadamente 130 quilómetros a oeste da ilha do Faial”. Quanto às “principais observações meteorológicas”, o IPMA refere que, na Ilha do Pico, a precipitação registou 62,4 milímetros acumulados em seis horas, até às 5h00 de hoje. Na Graciosa, foram registados 43,6 milímetros acumulados em seis horas, até às 1h00. Na Ilha das Flores, na Fajã Grande, verificaram-se rajadas de vento na ordem dos 100 quilómetros por hora às 8h00.

A Capitania do porto de Santa Cruz das Flores, nos Açores, determinou o fecho a toda a navegação dos portos das ilhas do Corvo e Flores devido às condições meteorológicas.

* * * * * * * * * * * *

Fonte: RTP Notícias


sexta-feira, 23 de setembro de 2022

8757. ARQUIPÉLAGO DOS AÇORES: Tempestade Tropical GASTON



Às 21:00UTC (hora dos Açores) de quinta-feira, dia 22 de Setembro, o centro da tempestade tropical GASTON localizava-se a aproximadamente 200 km a noroeste (NW) da ilha das Flores, com uma pressão mínima no seu centro de 999 hPa e com uma velocidade de deslocamento de 28 km/h para és-nordeste (ENE).

A previsão da trajectória indica que a tempestade tropical GASTON ao longo de sexta-feira (dia 23), deslocar-se-á para leste (E) e fará uma inflexão da trajectória para sudoeste (SW) nas primeiras horas de sábado (dia 24). Nestas condições, o centro da tempestade deverá atravessar o arquipélago entre as ilhas dos Grupos Ocidental e Central provocando assim um aumento da intensidade do vento, com rajadas na ordem dos 90 km/h no Grupo Ocidental e na ordem dos 100 km/h no Grupo Central e, precipitação por vezes FORTE em todo o Arquipélago, sendo que a precipitação será mais intensa nas ilhas do Grupo Central. Espera-se que, entre a noite de sexta-feira e a madrugada e manhã de sábado (dias 23 e 24) seja o momento mais severo da passagem do ciclone tropical.

Devido à incerteza relativamente à trajectória do ciclone tropical, sugere-se o acompanhamento da previsão.

* * * * * * * * * * * *

Fonte (texto): IPMA


8756. Bem-vindo, outono!


O verão chegou ao fim! O outono é caracterizado pela queda das folhas e das temperaturas, chegou esta sexta-feira, pelas 2h04. Duas vezes por ano, nos equinócios da primavera e do outono, os dias são iguais às noites.

O outono é a estação associada aos amarelos e castanhos das árvores, associada à queda das folhas, aos primeiros frios e chuvas. É a preparação para o inverno que chega às 21h48 do próximo dia 21 de Dezembro, e na poesia aparece muitas vezes associado à melancolia e à nostalgia. Mas, até chegar o Inverno, ainda vamos ter de mudar a hora. Será no dia 30 de Outubro, às 2h00, altura em que os relógios serão mudados para a 1h00, dando-se então início ao horário de inverno.

O Observatório Astronómico de Lisboa explica, na sua página na internet, que os equinócios são definidos como o instante em que o ponto central do Sol passa no equador e, por isso, o centro solar nasce no ponto cardeal Este e põe-se exactamente a Oeste, «encontrando-se durante 12 horas acima do horizonte matemático em qualquer lugar da Terra nestes dias».

* * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Fonte (texto e imagem): VISÃO


quarta-feira, 21 de setembro de 2022

8755. Temporal região centro



Esta tarde: trovoadas muito frequentes e concentradas em Penalva do Castelo, Mangualde, Gouveia e Seia.


8754. PORTUGAL CONTINENTAL: Tempo severo no interior

Imagem de satélite às 18h30

* * *

Fonte: SAT24

==========

Tempo instável nas regiões do interior, com períodos de céu muito nublado e ocorrência de aguaceiros, por vezes fortes e acompanhados de trovoadas; possibilidade de queda de granizo.


8753. PORTUGAL CONTINENTAL: Probabilidade de trovoadas

 


8752. Madrugada com tempo severo na região sul

 



8751. Tendência de evolução das estações meteorológicas portuguesas no portal WeatherOnline (evolução na PRIMAVERA)

Actualização da postagem nº 8294

* * *

 


Neste quadro de dados, referente à temperatura máxima diária no segundo trimestre do ano (Primavera), constata-se que as estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MAIS DIAS DE CALOR EXTREMO são Viana do Castelo, Porto/Pedras Rubras, Alverca do Ribatejo, Lisboa/Geofísico, Sines/Montes Chaos e a Base Aérea de Beja, em Portugal Continental, e o Porto Santo, no Arquipélago da Madeira; estas estações meteorológicas têm a tendência de registar na Primavera, cada vez mais, valores entre as 10 estações meteorológicas com temperaturas máximas mais elevadas diariamente na Europa (são as estações meteorológicas portuguesas onde existe cada vez mais a tendência de registarem as temperaturas máximas mais elevadas diariamente do continente europeu na Primavera).

Pelo contrário, nas estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MENOS DIAS DE CALOR EXTREMO, são Lajes/Terceira e Santa Maria, no Arquipélago dos Açores, Bragança, Vila Real, Viseu, Castelo Branco, Aeroporto de Lisboa, Lisboa e Faro, em Portugal Continental, e o Funchal, no Arquipélago da Madeira, são as estações meteorológicas que têm tendência de registar na Primavera, cada vez menos, valores entre as 10 estações meteorológicas com temperaturas mais elevadas diariamente na Europa (são as estações meteorológicas portuguesas onde existe cada vez menos a tendência de registarem as temperaturas mais elevadas do continente europeu durante a Primavera).

* * *

 


Neste quadro de dados, referente à precipitação máxima diária no segundo trimestre do ano (Primavera), constata-se que nas estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MAIS DIAS DE PRECIPITAÇÃO EXTREMA, são as estações meteorológicas das Flores, Lajes / Terceira, Ponta Delgada, no Arquipélago dos Açores, Viana do Castelo, Porto/Pedras Rubras, Penhas Douradas, Coimbra Castelo Branco, em Portugal Continental, e do Funchal e Aeroporto Internacional Cristiano Ronaldo, no Arquipélago da Madeira, que têm a tendência de registar na Primavera, cada vez mais, valores entre as 10 estações meteorológicas com precipitações mais elevadas diariamente na Europa (são as estações meteorológicas portuguesas onde existe cada vez mais a tendência de registarem as precipitações mais elevadas diariamente do continente europeu na Primavera).

Pelo contrário, nas estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MENOS DIAS DE PRECIPITAÇÃO EXTREMA, são Bragança, Vila Real, Aeródromo de Viseu, Lisboa, Lisboa/Geofísico, Montijo, Portalegre, Sines/Montes Chaos, Beja, Base Aérea de Beja, Sagres, e Faro, em Portugal Continental, e o Porto Santo, no Arquipélago da Madeira, que têm a tendência de registar na Primavera, cada vez menos, valores entre as 10 estações meteorológicas com precipitação mais elevadas diariamente na Europa (são as estações meteorológicas portuguesas onde existe cada vez menos a tendência de registarem as precipitações mais elevadas diariamente do continente europeu na Primavera).



terça-feira, 20 de setembro de 2022

8750. Terça-feira, 20 de Setembro (23h20)

Noite de instabilidade dispersa, com aguaceiros e trovoadas em especial nas regiões do sul.


8749. PORTUGAL CONTINENTAL: Instabilidade atmosférica

Imagem de satélite às 18h00

* * *

Fonte: SAT24

==========

Tarde de aguaceiros e trovoadas dispersas.


8748. Episódio DANIELLE: Precipitações máximas diárias em Portugal Continental

Episódio DANIELLE

Precipitações máximas diárias

(Portugal Continental)

* * *

Segunda-feira, dia 12 de Setembro

=========================

Portimão (Aeródromo) – 37,7 mm

Almada, P.Rainha – 36,5 mm

Fóia – 36,3 mm

Lisboa, Tapada da Ajuda – 33,9 mm

Portimão (Praia da Rocha) – 33,6 mm

Sintra, Colares – 31,7 mm

Lisboa (G.Coutinho) – 31,3 mm

Tomar, Valdonas – 28,7 mm

Oeiras / Vila Fria – 26,2 mm

Lisboa, Amoreiras (LFCL) – 25,6 mm

* * *

Terça-feira, dia 13 de Setembro

=========================

Guarda – 83,7 mm

Covilhã (Aeródromo) – 67,2 mm

Viseu (Aeródromo) – 66,8 mm

Viseu (C.Coordenação) – 62,0 mm

Aldeia Souto (Q. Lageosa) – 55,9 mm

Fundão – 55,3 mm

V.N.Cerveira (Aeródromo) – 55,l mm

Sabugal, Martim Rei – 53,6 mm

Santa Comba Dão (CIM) – 51,9 mm

Viseu (Cidade) – 51,7 mm

* * *

Quarta-feira, dia 14 de Setembro

=========================

Amares Caldelas (CIM) – 118,3 mm

Covilhã (Aeródromo) – 105,8 mm

Braga (CIM) – 95,2 mm

Braga, Merelim – 55,7 mm

Beja – 53,0 mm

Cabril – 51,1 mm

Aldeia Souto (Q. Lageosa) – 46,9 mm

Fundão – 45,4 mm

Guarda – 43,9 mm

Portalegre – 41,2 mm

* * *

Quinta-feira, dia 15 de Setembro

=========================

Mealhada / Quinta do Vale (CIM) – 29,2 mm

Dunas de Mira – 23,1 mm

Aveiro (Universidade) – 22,2 mm

Mortágua / Aeródromo (CIM) – 20,9 mm

Proença-a-Nova, P.Moitas – 20,2 mm

Anadia – 19,8 mm

Cantanhede / Fonte Dom Pedro (CIM) – 19,0 mm

Esposende (CIM) – 18,9 mm

Coimbra / Mata de São Pedro (CIM)            - 17,8 mm

Soure (CIM) – 17,7 mm

* * *

Fonte: IPMA


segunda-feira, 19 de setembro de 2022

8747. Segunda-feira, 19 de Setembro (17h00)

Imagem de Satélite às 17h00

* * *

Fonte: SAT24

==========

Tarde de aguaceiros e trovoadas dispersas, menos prováveis no Algarve.


8746. PORTUGAL CONTINENTAL em alerta amarelo por aguaceiros e trovoadas

 


quarta-feira, 14 de setembro de 2022

8744. ESTREMOZ: Nebulosidade evolutiva com aguaceiros fortes

 





8743. Quarta-feira, 14 de Setembro (16h00)




Tempestade extratropical DANNIELE centrada a noroeste de Portugal Continente, com um núcleo muito bem definido, gerando linhas de instabilidade que, rodando no sentido contrário dos ponteiros do relógio, cruzam o território do continente no sentido do litoral para o interior, beneficiando do calor diurno que reflectido pela superfície terrestre força os movimentos verticais na troposfera que, por sua vez, dão origem a aguaceiros, por vezes fortes e acompanhados por trovoadas. Inundações repentinas em leitos de cheias e áreas urbanas.


8742. Mau tempo. "Foi demasiada chuva num curto espaço de tempo"

Ruas alagadas, aluimento de terras e queda de árvores. O cenário repetiu-se ontem em vários pontos do país perante o agravamento da situação meteorológica. Depois de uma segunda-feira com poucas ocorrências, as trombas de água fizeram estragos e pelo menos uma vítima grave em Oeiras, um homem arrastado pela força da água quando estava numa paragem de autocarros em Barcarena, tendo sofrido uma paragem cardiorespiratória.

Ao i, Pedro Brás, presidente da contígua união de freguesias de Massamá e Monte Abraão, onde houve várias ruas alagadas, garante que nos últimos dias tinha havido acções de limpeza dos sumidouros: “das várias situações que temos tido, esta foi talvez a mais inesperada. A ribeira [de Barcarena] transbordou e a altura ainda é grande – seria difícil evitar o que aconteceu”, defende. “Foi demasiada chuva num curto espaço de tempo”, justifica, remetendo para a autarquia um plano maior de preparação para este tipo de fenómenos.

Em declarações à CNN Portugal, o comandante dos Bombeiros de Barcarena sublinhou que esta é uma situação recorrente nesta zona: “Temos conhecimento que a Câmara de Oeiras e de Sintra estão em conversações. Enquanto não surge o plano nestas grandes chuvas não há escoamento de água”, defendeu.

A meio da tarde, a zona da rotunda alagada na saída do IC19 para Massamá e Barcarena já não tinha água, fruto do escoamento natural. Pedro Brás considera que é sinal de que está a funcionar, admitindo no entanto que para alguns cenários de chuva torrencial, como o que se verificou ontem pelas 9h da manhã, é insuficiente: “São fenómenos extremos que nos preocupam porque irão tornar-se mais frequentes”.

A Norte, em Manteigas, os ecos de um rasto de destruição chegaram ainda de madrugada, pelo presidente da câmara, que activou o plano de emergência municipal pelas 3h. “Os danos são enormes, várias viaturas foram arrastadas pela força da água, temos casas e negócios afectados, estradas, iluminação pública, infraestruturas de água e saneamento, equipamentos desportivos e lúdicos, entre outros”, escreveu Flávio Massano nas redes sociais.

Ao i, Pedro Araújo, comandante da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil, indicou que ao final da tarde contabilizavam-se 872 ocorrências relacionadas com o actual estado de alerta, a maioria esta terça-feira e no distrito de Lisboa. “Quanto à tipologia, tivemos 391 inundações, 227 quedas de árvores, 74 quedas de estruturas, 157 limpezas de vias. Em Oeiras, uma vítima grave, por arrastamento com força de água (arrastado para uma ribeira, foi resgatado), um homem de 30 anos”, destacou.

Consequências dos incêndios da serra à vista Pedro Araújo sublinhou ainda que a situação registada na freguesia de Sameiro, em Manteigas, foi “muito particular” e decorre dos incêndios vividos na Serra da Estrela em Agosto.

“Tem a ver com as vertentes do complexo montanhoso que arderam entre os distritos de Castelo Branco e a Guarda e a precipitação que ocorreu desde madrugada levou a que ocorresse esta situação na Ribeira do Vale do Sameiro. Criou-se obstrução, inundou a baixa da freguesia do Sameiro, inundou veículos, habitações, o complexo desportivo, etc. A CM de Manteigas activou o plano de emergências às 3h40 e mantêm-se operacionais, os presidentes, entidades desde a ProCiv, passando pelos bombeiros, a GNR, guardas florestais, com vista à desobstrução da ribeira e à limpeza das vidas rodoviárias”, explicou o comandante.

O alerta para o risco acrescido com as chuvas nas zonas ardidas já tinha sido feito e a confirmação vem somar-se agora aos prejuízos causados pelos fogos, que a autarquia estima em 2,5 milhões de euros. No caso do temporal, ainda estão a ser apurado, mas serão de “larga escala”, disse ontem Flávio Massano, relatando que troncos de “porte enorme”, vários carros, iluminação pública, grades, gradeamentos, parte de pontes e parte de caminhos agrícolas e de estradas “foram arrastadas pela força da água”. O presidente da Câmara Municipal de Manteigas participou, em Lisboa, numa reunião com o Governo e restantes autarcas do Parque Natural da serra da Estrela sobre as medidas de rescaldo após os incêndios do mês passado. O autarca disse à Lusa que o Governo apresentou “medidas concretas” em áreas como o Ambiente, Turismo e Protecção Civil, mas ainda não há indicação de verbas, aguardando pelo Conselho de Ministros desta quinta-feira.

Maria Moreira Rato e Marta F. Reis

* * * * * * * *

Fonte: Ionline


8741. Tornado (CUBA)



Árvores arrancadas num raio de 1km

Local:

Distrito:

Concelho:

Data da ocorrência:

Rumo da trajectória:

Largura da tromba junto ao solo:

Extensão da tromba junto ao solo:

Tem conhecimento de danos e/ou vítimas?:

* * * * * * * * * *

Fonte: Observar


terça-feira, 13 de setembro de 2022

8740. Serra da Estrela. Câmara fala em "surpresa" com a força da chuva


CopyRight @ RTP Notícias

8739. Ciclone extratropical Danielle




O que resta do ciclone extratropical Danielle encontrava-se centrado esta manhã a noroeste de Portugal Continental, bem visível na imagem de satélite, com uma pressão atmosférica no seu centro de 993 hpa. A organização das massas nebulosas faz-se em torno do seu núcleo, em rotação contrária aos ponteiros do relógio; assim, linhas de instabilidade vão sucessivamente cruzando o território de Portugal Continental, de sul para norte e do litoral para o interior, originando períodos de chuva ou aguaceiros, por vezes fortes a muito fortes e acompanhados de trovoadas. O vento, do quadrante sul, sopra moderado a forte, excepcionalmente com rajadas muito fortes (linhas isobáricas muito próximas umas das outras).


8738. Terça-feira, 13 de Setembro (01h00)

Imagem de satélite às 01h00

* * *

Fonte: SAT24

==========

Centro de baixas pressões a oeste de Portugal Continental; a rotação das massas de ar em torno do centro da baixa pressão, no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio, favorecem a entrada de massas de ar húmidas de origem tropical sobre o território do continente, que originam linhas de instabilidade responsáveis pelos aguaceiros, pontualmente muito fortes e acompanhados de trovoadas dispersas.

Esta situação de tempo convectivo severo irá prolongar-se ao longo de todo o dia desta Terça-feira, podendo ocorrer episódios dispersos de quantidade de precipitação muito elevada e acompanhada por fortes rajadas de vento.

segunda-feira, 12 de setembro de 2022

8737. PORTUGAL CONTINENTAL: Noite de temporal


Regime de aguaceiros, pontualmente muito fortes e acompanhados de trovoadas. Possibilidade de inundações rápidas em zonas urbanas e de leitos de cheias.

8736. Ciclone extratropical Danielle


CORRENTE DE SUDOESTE QUENTE E MUITO HÚMIDA – O ciclone extratropical Danielle estava centrado aproximadamente em 41°N 22°W às 12UTC de hoje, dia 11 de Setembro, prevendo-se que se aproxime gradualmente de Portugal continental. As linhas de instabilidade que lhe estão associadas irão originar precipitação, por vezes forte e acompanhada de trovoada e rajadas fortes de vento, no litoral oeste a partir da noite de domingo para segunda-feira e evoluindo gradualmente para leste. Este cenário de precipitação deverá manter-se ao longo da semana, embora com menores quantidades de precipitação acumulada a partir de dia 14.

O vento será do quadrante sul, soprando temporariamente forte nos dias 12 e 13 na faixa costeira ocidental, com rajadas até 65 km/h, e nas terras altas, com rajadas até 75 km/h.  A agitação marítima irá aumentar com ondas de oeste/sudoeste entre 2,5 e 3,5 metros de altura significativa a partir da tarde de dia 12 até ao fim do dia 13.

Após um período de seca prolongado, este episódio de precipitação forte poderá dar origem a escorrência superficial considerável das águas pluviais em zonas íngremes e em solos queimados, devido à sua lenta infiltração. Adicionalmente, e dependendo da intensidade local da precipitação, poderá ocorrer redução de visibilidade e, em meios urbanos, poderão ocorrer cheias rápidas.

Devido à incerteza associada às quantidades de precipitação acumulada e à sua localização recomenda-se o acompanhamento da previsão e avisos meteorológicos para os próximos dias.

* * * * * * * *

Fonte: IPMA


domingo, 11 de setembro de 2022

8735. Nevoeiro cobrindo a margem esquerda do rio Tejo às 15h00

Fonte: José Junior

8734. Domingo, 11 de Setembro (16h00)

 Imagem de Satélite às 16h00

* * *

CopyRight Eumetsat 2022

=========================

Algumas temperaturas às 16h00

* * *

Pinhão (Santa Bárbara) – 37,3 ºC

Arganil/Aeródromo (CIM) – 35,7 ºC

Alvega – 35,7 ºC

Lousã (Aeródromo) – 35,4 ºC

Amareleja – 35,3 ºC

Mirandela – 34,9 ºC

* * *

Cabo Carvoeiro – 22,0 ºC

Portimão (Praia da Rocha) – 21,9 ºC

Esposinde (CIM) – 21,5 ºC

Oeiras/Vila Fria – 21,5 ºC

Cabo da Roca – 21,4 ºC

Cabo Raso – 20,5 ºC

Pico do Areeiro (Madeira) – 11,5 ºC

* * *

Fonte: IPMA


8733. Tendência de evolução das estações meteorológicas portuguesas no portal WeatherOnline (evolução anual)

 Actualização da postagem número 8590

* * *


Neste quadro de dados, referente à temperatura máxima diária ao longo do ano, constata-se que, nas estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MAIS DIAS DE CALOR EXTREMO, são as estações do Aeródromo do Pico, no arquipélago dos Açores, e de Ovar (17), Aeródromo de Ovar (17), Base Aérea de Sintra e Aeroporto de Lisboa, em Portugal Continental; estas estações meteorológicas tinham a tendência de registar (em 30 de Junho de 2022), cada vez com mais frequência, valores entre as 10 estações meteorológicas com temperaturas mais elevadas diariamente na Europa.

Pelo contrário, as estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MENOS DIAS DE CALOR EXTREMO são as estações meteorológicas das Flores, Horta, Lajes (10), Angra do Heroísmo e Santa Maria, no arquipélago dos Açores, Bragança, Vila Real, Viseu, Penhas Douradas, Monte Real, Lisboa, Lisboa/Geofísico, Portalegre, Sines / Montes Chaos, Sagres e de Faro, em Portugal Continental, e o Aeroporto Internacional Cristiano Ronaldo, Funchal e as Ilhas Selvagens, no Arquipélago da Madeira, têm tendência de registar (em 30 de Junho de 2022), cada vez menos, valores entre as 10 estações meteorológicas com temperaturas mais elevadas diariamente na Europa (são as estações meteorológicas portuguesas onde existe cada vez menos a tendência de registarem as temperaturas mais elevadas do continente europeu).

* * *


Neste quadro de dados, referente à precipitação máxima diária ao longo do ano, constata-se que as estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MAIS DIAS DE PRECIPITAÇÃO EXTREMA são as estações meteorológicas das Flores, Aeródromo do Pico, Aeródromo da Graciosa, Lajes (10), Lajes/Terceira, Horta e de Ponta Delgada, no arquipélago dos Açores, de Viana do Castelo, Porto/Pedras Rubras, Coimbra, Cabo Carvoeiro e Castelo Branco, em Portugal Continental, e o Aeroporto Internacional Cristiano Ronaldo, no arquipélago da Madeira; estas estações meteorológicas tinham a tendência de registar (em 30 de Junho de 2022), cada vez mais, valores entre as 10 estações meteorológicas com precipitações mais elevadas diariamente na Europa (são as estações meteorológicas portuguesas onde existe cada vez mais a tendência de registarem as precipitações mais elevadas diariamente do continente europeu). 

Pelo contrário, nas estações meteorológicas com TENDÊNCIA A REGISTAR MENOS DIAS DE PRECIPITAÇÃO EXTREMA, as estações meteorológicas de Angra do Heroísmo, no arquipélago dos Açores, de Bragança, Vila Real, Aeródromo de Viseu, Lisboa, Lisboa/Geofísico, Montijo, Portalegre, Sines/Montes Chaos, Sagres e Faro, em Portugal Continental, têm tendência de registar (em 30 de Junho de 2022), cada vez menos, valores entre as 10 estações meteorológicas com precipitação mais elevadas diariamente na Europa (são as estações meteorológicas portuguesas onde existe cada vez menos a tendência de registarem as precipitações mais elevadas diariamente do continente europeu).